Vi na Netflix: O Plano Imperfeito


Fazer seu chefe se apaixonar pra te deixar em paz parece um bom plano, não é?
Sinopse: Desesperados por um pouco de sossego, dois assistentes exaustos unem forças para fazer com que seus chefes workaholics se apaixonem.


Eu não sei se coloco aqui parte do meu passado, mas eu já fui a assistente de uma Workaholic e não é nada fácil não, gente. E também não é fofo estar breando (= suando) por toda Belém quando você tem seríssimos problemas em dizer não (como profissional, na vida pessoal eu só sei dizer não). Talvez por isso tenha gostado tanto de O Plano Imperfeito! Foi o retrato perfeito (hehehe) dessa vida de assistente.
Harper é assistente de Kirsten, uma super jornalista esportiva e Charlie, de Rick, um magnata dos negócios em Nova Iorque.
Logo no começo temos um pedacinho do que é a vida de assistentes na grande cidade: pegar roupa na lavanderia, café, suco, refeições, medicamentos, agendar toda a vida deles e, inclusive, balancear seus relacionamentos pessoais.
Em mais uma noite de plantão com os chefes (eles só saem quando os chefes saem e chegam antes deles), os dois têm de providenciar os jantares dos mesmos e acabam se esbarrando.


Harper tem o primeiro click! E se os dois chefes workaholics (e bem babacas) se apaixonassem? Talvez tirassem o olho deles e os assistentes poderiam ter uma vida social! Charlie mal tem tempo de ver a namorada. Harper... hahaha.... tadinha, ainda tá presa no ciclo eterno e podre de Tinder. Então eles se tocam que têm TODA a vida dos respectivos chefes em mãos (em planners e celulares) e planejam um encontro entre Kirsten e Rick. Aí deixa eu falar um negócio sobre os chefes: Lucy Liu e Taye Diggs (meu amô, se faz um favor na vida e dá um google imagens nesse homem. De nada) como esses chefes dos infernos? Perfeitos.
Eles armam de eles ficarem presos e um elevador, mas a vida não é perfeita, né?


Com ajuda do Creepy Tim, interpretado pelo ótimo Titus Burgees (de Unbreakable Kimmy Schmidt, também na Netflix), leva a um primeiro encontro inesquecível... embora até eu queira esquecer! Mas eles parecem brasileiros e não desistem... tentam juntar os chefes em um jogo de baseball. Aí sim... o negócio vai depois de umas freadas dos dois cabeças duras.


Daí pra frente é eles tentando dar uma de Cyrano e articulando tudo para que os chefes fiquem juntos e até vai dando certo, mas algumas coisas podem mudar... outras nem tanto.


Harper vai vendo que poderia estar fazendo muito mais em jornalismo e não só sendo assistente de Kirsten. Rick é um babacão que merecia um soco. Kirsten... o veredito não saiu se eu perdoaria. E Charlie... esse merecia uma sacudida por ser tão artificial. Ainda bem que Harper está lá para mostrar que a vida pode ser mais e que o amor é além das qualidades, mas também composto de defeitinhos (inhos mesmo, grandes não dá pra aturar).
O plano imperfeito é a pedida perfeita para quem tem duas horas para matar, está com saudades de uma boa comédia romântica entre adultos e, de quebra, aproveitem pra ficar de olho na Zoey Deutch, a mulher tem um bom timing pra comédia.






O PLANO IMPERFEITO
Distribuição: Netflix
Direção: Claire Scanlon
Ano: 2018
Elenco: Zoey Deutch, Glen Powell, Taye Diggs e Lucy Liu
Renata Pamplona
PUBLICADO POR

"Lendo e resenhando muita coisa da cultura pop. Inevitavelmente Geek e apaixonada por mais personagens fictícios que pode contar."

Copyright © Pausa Para um Capítulo. Designed by Everton As