Vi na Netflix: Aniquilação (2018)


Baseado no livro homônimo, a bagunça filmada chegou na Netflix em 2018.
AVISO: Esse post CONTÉM spoilers. ⚠


Então... Aniquilação foi comprada para distribuição pela Netflix (passou em pouquíssimos cinemas lá fora porque a distribuidora internacional não ousou investir pois... bem, continua lendo) e estreou mês passado. É o tipo de filme que eu peguei uma raiva instantânea porque estragou com uma das minhas ficções favoritas e ainda assim é um filme estranhamente atraente. Chegou a ver o trailer?

Sinopse: A bióloga Lena (Natalie Portman) se junta a uma expedição secreta com outras quatro mulheres em uma região conhecida como Área X, um local isolado da civilização onde as leis da natureza não se aplicam. Lá, ela precisa lidar com uma perigosa contaminação e ainda procura pistas dos desaparecimentos de expedições passadas (incluindo de seu marido).
Eu estava muito empolgada porque é um livrão (tem resenha aqui no blog) e conseguiram pegar um ótimo conceito e aniquilá-lo (não, eu não vou pedir desculpa pelo jogo de palavras).
A primeira coisa a ser aniquilada aqui foi a aura de mistério.
O filme muda o conceito de muita coisa (dá nome aos personagens, muda rumo de suas tramas, coloca o ambiente e criaturas como agressivas, tira o suspense do que está na Área X) e por um lado eu entendo o que a Paramount fez: teve que trabalhar com tudo em um só filme, pois a garantia de que não desse certo era muito alta (e, no final, estava certa. Não deu certo.)
Então vamos aos stills porque apesar da raiva no coração, é um elencão da p#rr@!

A parte da Área X já começa apelando e agredindo o livro colocando violência e "monstros" esquisitos. Não, não tem no livro. A aura de mistério do livro é de 100%. Se eu te disser que aqui fica em 20% é muita coisa. Não há apelação visual no livro pois as descrições e suspense intimista da cabeça e percepções da bióloga são muito mais importantes que "esquisitices" como essa primeira anomalia no filme.

A relação de Lena e seu marido no filme reduz a personagem à culpa e clichê. Até fazer a personagem trair o marido teve. Uns minutos absolutamente desnecessários no filme. Uma sub-trama que começou e terminou sem nenhuma relevância ao ignorar o que é explicitamente mostrado no livro: a personagem é muito aquém de relações frívolas pessoais e românticas, ela cai no padrão imposto pela sociedade, mas o fato de estar acima disso é indispensável à sua sobrevivência, o que prejudica e muito a personagem no filme.

Assim como o apelo das anomalias bestiais, no filme fica muito mais exposto o que aconteceu com as pessoas que não saíram da Área X, enquanto no livro a personagem descreve com muito mais sensibilidade as possibilidades.

Tessa, por que precisavas entrar nisso? Era para pagar as brusinhas? A despedida mais bonita do filme é essa, apesar de não haver a cena no livro e ter ficado DEMAIS piegas em relação à cenografia (precisava mesmo daquele ambiente decoração de casamento no Brasil? Extravagante.)
O elenco contava com Natalie Portman, Oscar Isaac, Gina Rodriguez (excelente como a rebelde Anya), Tuva Novotny (tão bebêzinha), Jennifer Jason Leigh, Benedict Wong e simplesmente isso não salvou a produção. Não adiantou chamar de elenco "girl power" porque o roteiro reduziu às personagens à problemas pessoais que só destruíram suas chances de sobreviver à Área X.

Oscar, tão bonito e até que teu personagem foi bem utilizado. A expansão do que aconteceu com a última expedição dá uma agonia, mas é visualmente bem explorada.
Enquanto a trilogia literária dá explicações, o filme peca por tentar colocar seu próprio conceito e apenas se basear nos livros com o básico (expedições entram em uma área misteriosa que a cada dia se expande mais, mudando a natureza ao seu redor) em duas horas com um bom elenco e bons efeitos. Se tivesse realmente um final, teria sido preciso tantos vídeos com explicações no You Tube?
Alex Garland (diretor de Ex-Machina) tentou deixar um final aberto, mas durante ações promocionais do filme, revelou que o final original era pior outro: uma chuva de meteoros e não saberíamos que versão da Lena saiu da Área X/ Shimmer / Brilho. A adaptação teve o dedo do próprio autor, Jeff VanderMeer, então.. POR QUE ME TOMBASTE, JEFF?

Aniquilação
Direção: Alex Garland
Estúdio/Divulgação: Paramount, Netflix
Ano: 2018
Elenco: Natalie Portman, Jennifer Jason Leigh, Gina Rodriguez
Classificação: Ficção científica, Suspense
Renata Pamplona
PUBLICADO POR

"Lendo e resenhando muita coisa da cultura pop. Inevitavelmente Geek e apaixonada por mais personagens fictícios que pode contar."

Copyright © Pausa Para um Capítulo. Designed by Everton As