04 dezembro 2017

Resenha: O Jogador, de Vi Keeland


Tudo vale no jogo e no amor? É o que Delilah e Brody descobrirão.
A primeira vez que eu conheci Brody Easton ele estava no banheiro masculino.
Era a minha primeira entrevista profissional como repórter esportiva.
O famoso quarterback* decidiu mostrar tudo. E por tudo eu não quero dizer todos os seus segredos. Não. O arrogante decidiu largar sua toalha quando eu fiz a primeira pergunta. AO VIVO.
O capitão do time adotou um novo hobby: ferrar comigo.
Quando eu o empurrei de volta, ele passou de querer brincar com a minha profissão para querer brincar comigo (se é que vocês me entendem), mas eu não namoro jogadores.
E não é porque eu sou uma das poucas mulheres trabalhando no futebol americano profissional. Eu namoraria um atleta.
É só outro tipo de atleta que eu não namoro. Você sabe o tipo: gostoso, forte, confiante e sempre procurando transar.
Brody Easton era O jogador.
Toda mulher queria ser a que mudaria ele, mas a verdade é que ele precisava de uma mulher que valesse a pena mudar por.
Acontece que eu era essa mulher.
Simples, não?
Vamos encarar. Nunca é.
Há uma estória entre o "era uma vez"e o "felizes para sempre..." e essa é a nossa.
O meu primeiro contato com a escrita da Vi foi aqui: The Baller (o título em inglês). Passeando pela loja Kindle, lá estava a capa atrativa e a vontade de ler. Bem, aqui nós vamos além da capa beeem atraente (você viu muito bem o que está marcado, não?) e embarcamos com a Delilah e o Brody na descoberta do amor verdadeiro. Ah, como eu amo essas jornadas do "amigos a amantes".
A Delilah está há meses em um sabático de homens. Quase seis meses. Sua melhor amiga acha que está tudo indo bem, para a Duracell bancando o vibrador, mas não para Delilah.
A primeira vez entrevistando Brody ela entra no vestiário masculino e começa a pressão: o segurança fala que ela não deve se deixar ser intimidada, o câmera fala que o Brody é um babaca que não gosta de mulheres repórteres... como eu disse, pressão.
O Brody é só fachada. O cara tem um coração mole por boas ações... e uma queda por alguém do seu passado.
Ao viajar para cobrir uns jogos, Delilah fica lado a lado com Brody e as coisas começam a progredir e você começa a shippar fortemente os dois. #TeamDedy
"... Sair juntos. Exclusividade. Eu preciso passar tempo com alguém além de na sua cama. (...) É quem eu sou."
Não se engane. Não é porque esse livro tem pitadas hot que você vai ver logo o casal caindo na cama juntos. Há muita paquera, muito de se conhecer e envolvimento antes dos "finalmente".
O Brody é mais do que um corpão. A Delilah é mais do que uma qualquer. Eles têm um passado e tudo que passaram os modelou ao que são hoje. São adultos em uma nova relação e que estão se descobrindo. Você vai se descobrir nos jogos de perguntas deles.
O livro também tem o dilema ético de repórter esportiva versus jogador e a misoginia que a Delilah sofre na profissão.
"Paciência é amarga. O fruto que é doce."
Quem publicou O Jogador no Brasil foi a Editora Charme, que tem um catálogo arrasador de romances do tipo. Só posso dizer que com certeza vou ficar de olho nos futuros lançamentos!
Devo dizer que O Jogador é um romance solo (você pode ele sozinho), uma dose mínima de angústia (precisamos de um plot twist, não é?) e com final feliz. O Jogador tem todas as características para ser aquele livro que te tira da ressaca literária, te deixa com um sorriso no rosto e para os fãs de romance hot, pode facilmente se tornar um dos teus livros favoritos do gênero.

*Zagueiro
Título: O Jogador / The Baller
Autor:Vi Keeland
Ano: 2017 (Charme) / 2016 (Kindle)
Editora: Editora Charme / Independente
Páginas: 304 (Editora Charme) / 285 (Kindle em inglês)
Compre: Amazon Editora Charme / Amazon Kindle (em inglês)
Classificação: