06 dezembro 2017

Resenha: Fury, de Laurann Dohner

Uma corporação com experimentos genéticos ilegais criou o monstro perfeito para o coração de Ellie. Ou será que o 416 é selvagem demais para ser domado?
Ellie é uma enfermeira e fica horrorizada ao descobrir que a companhia farmacêutica para a qual trabalha - as Indústrias Mercile - tem feito experimentos genéticos ilegais. Os cientistas combinaram DNA de humanos com o DNA de animais, criando uma Nova Espécie, composta por seres humanos mais fortes e desenvolvidos. Um desses "experimentos", o prisioneiro 416, captura o coração de Ellie enquanto ela tenta salvá-lo.
Fury - como 416 também é conhecido - nunca conheceu compaixão ou amor. Ele passou a vida inteira em uma cela, acorrentado e sofrendo abusos. Ellie, a única mulher em quem ele confiou, o traiu, e agora Fury está livre e à procura de vingança. O ex-prisioneiro jura querer acabar com a vida da enfermeira que o salvou, contudo, quando ela finalmente está em suas mãos, a única coisa que Fury não quer fazer com essa mulher pequenina e sexy é machucá-la.
Bem, quando eu comprei o livro não fazia idéia de onde estava me metendo. A Universo só havia publicado Fury e quando fui procurar mais sobre a série, quase caí para trás ao saber que eram quase vinte livros! Apesar de ser uma série (Novas Espécies), dá para ler separado, se você não se importar com as passagens de tempo perdidas pois cada livro é sobre um casal ou personagem N.E. Essa é a minha parte de incentivo para você ler Laurann. 
A parte em que você não pode deixar passar é... lembrar de shippar A Bela e a Fera? Bem, tirando o fato de ter príncipe, a bestialidade quase vira foco aqui. QUASE e isso porque é ficção. Em alguns momentos lendo Fury eu coloquei a mão no peito e "Menina, tô shippando isso mesmo?". 
Você faz essas indagações porque Fury é uma aberração, o fruto de um experimento ilegal e indecente com o DNA de animais e humanos. Apesar da forma humanóide, o Fury tem instintos mais fortes. Selvagens. Também tem sentidos mais ampliados e, digamos, vantagens na cama que homens só sonhariam. 
"... Quando você se mexe dentro de mim, nada mais existe."
Ao mesmo tempo que o Fury tem esse lado selvagem, tem um lado ingênuo. Imagina um relacionamento com uma humana após décadas preso? É tudo uma descoberta e vou usar a palavra "fofo" para descrever sim. O Fury é fofo! Ele é extremamente leal e protetor. Ah, vale dizer que muitos humanos não lidam bem com o fato de haver Novas Espécies pelo mundo e há terroristas por todo canto do novo espaço criado para as N.E. ficarem.
Há desaprovação de ambos os lados pela relação de Ellie e Fury: humanos com medo e N.E. também, afinal eles sabem sua força e humanos são visto como coisinhas frágeis. As mulheres N.E. vêem Ellie, no início, como "bichinho de estimação" de tão frágil que ela parece.
Esse primeiro livro da série é muito interessante de ver o mundo que a Laurann criou: Novas Espécies com criaturas com características bem particulares, um governo que tem que lidar com outros tipos de seres que também têm direitos, uma nova comunidade com muita personalidade e sei lá quantos livros para sabermos se as Indústiras Mercile terão sua punição por atos tão graves.
Se joga para um romance nada convencional.

Título: Fury (Série Novas Espécies)
Autor: Laurann Dohner
Ano: 2015
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 368
Compre: Amazon
Classificação: