03 novembro 2017

Vi na Netflix: Stranger Things (2ª Temporada)

Na segunda temporada de Stranger Things, o lado invertido está invadindo o nosso lado e as coisas estão incertas para todos.
Bem, quem perdeu a primeira temporada do fenômeno Stranger Things deve ter morado debaixo de uma rocha em 2016. A série original Netflix foi um arraso com crianças cativantes, um roteiro cheio de referências saudosistas dos anos 70/80.
Eu não faço idéia de quantas referências têm na primeira temporada, mas nessa segunda um site brasileiro listou mais de 50 referências de mídias diversas.
A primeira temporada contou com 8 episódios que foram fáceis de maratonar, mas essa segunda contou com 9 bem difíceis, viu? 
Bem, recapitulando o final da primeira temporada:
- Eleven tá sei lá onde, mas o Xerife sabe.
- Will de volta, mas esquisito e obviamente com parte do lado invertido nele.
- Aparentemente o instituto onde a Eleven era mantida vai cair.
- Steve ficou com a Nancy.... WTF?!
Vou já falar aqui embaixo dos pontos que mais me marcaram nessa segunda temporada e... ESTE POST CONTÉM SPOILERS:
Will sendo monitorado pelo mesmo instituto lá da Eleven. Gente, obviamente o instituto não tava morto. Como a Joyce ainda tentou se enganar é além da minha compreensão! Paul Reiser aparece depois de muito tempo fora da TV como o Dr. Owens, mais conhecido como: Substituto de Satanás.
Para quem não sabe, Paul atuou, dirigiu e escreveu a série Mad about you, comédia super popular nos anos 90.

Esqueçam Eleven e o hype da Milly Bobby Brown! O queridinho dessa temporada vai para Will, interpretado por Noah Schnapp. Medo, terror, esperança, ingenuidade e vazio... esse menino conseguiu ir de 8 a 80 em interpretação.

Eu não tô aqui pra falar da Winona. Vim exaltar esse hino dos anos 80 chamado Sean Astin! Seu personagem, Bob, é o novo namorado de Joyce. Cheio de boas intenções, positivo e um amor de pessoa com os meninos, Bob não merecia o final que teve, porém esperado. #RipBob

O mundo invertido não está tão invertido assim infectando nosso mundo e o xerife Jim Hopper sabe mais do que fala. Muito mais. 

Quem você vai chamar quando o mundo invertido atacar? Ghost... não, péra. Chama os meninos de Hawkins no walkie-talkie mesmo.

O que falar desse sétimo episódio: Na verdade, um episódio spin-off, tem uma trama mais urbana e nada ligada com o carisma da cidade pequena e seu núcleo de personagens. Não consegui me relacionar com ninguém nem sentir pena deles. Apesar de Kali ter um papel importante na história da El, eu só via a hora daquilo acabar quando nada com nada foi explicado. Quase 50 minutos da minha vida que não vou ver de novo.

Olha a cara dessa babaca! Sim, a Nancy. Deusa me dê paciência, se você me der forças eu pego o taco com pregos e dou na cara dessa menina! 

Outra trama desperdiçada: Mama. Aparentemente a mãe da Eleven. Sério. Plot jogado, preguiçoso e que me deixou "WTF". Sério que uma personagem dessas vocês vão fazer isso? #Indignada #JusticeForMama

Max, interpretada por Sadie Sink, a nova integrante do grupo de jovens combatendo o mal infectando a pequena cidade. Cética, bad ass, Mad Max dos jogos, sofrida... arrasou no último episódio. Queria que tivesse se desfeito do irmão embuste! 

Mais uma vez enaltecendo Jim Hopper! Foco no relacionamento pai e filha dele com a El... as brigas deles partiam meu coração pelo Jim. 

OPINIÃO IMPOPULAR: Brat / Pentelha. Não sei porque a personagem ganhou mais falas e perdi o interesse por ela. Chata. Pedante. Quando ela interage com outros diretamente foi menos pior.

EU QUERO SABER CADÊ A MINHA BARB!!!
Bem, vida de fã é sofrida mesmo. A gente nasceu pra passar raiva, sofrer ao esperar a nova temporada... Eu nem vou tocar na problematização das questões de adultização / sexualização dos elenco mirim. Foi ruim. Foi forçado. O episódio nove quase me fez ganhar diabetes com tanto açúcar e forçação de final feliz.
No resumo? Eu daria um 8 por expandir o universo e trazer mais boas referências, continuando o clima saudosista, além das boas atuações. Não ganha 10 pelas questões acima citadas.
Se eu vou esperar a terceira temporada? Claro. Trouxíssima pelos Demogorgons!