29 outubro 2017

[Resenha]: Mulher-Maravilha - Sementes da Guerra - Leigh Bardugo #PausaTodoDia




Uma jovem Diana, uma humana com origem poderosa, origens místicas e muita ação na primeira parte de Lendas da DC.

 Antes de se tornar a Mulher-Maravilha, ela era apenas Diana.Filha da deusa Hipólita, Diana deseja apenas se provar entre suas irmãs guerreiras, mas quando a oportunidade finalmente chega, ela joga fora sua chance de glória ao quebrar uma lei das amazonas e salvar Alia Keralis, uma mortal.No entanto, Alia está longe de ser uma mortal comum. Ela é uma semente da guerra, descendente da infame Helena de Tróia, destinada a trazer uma era de derramamento de sangue e miséria. Agora cabe a Diana salvar todos e dar seu primeiro passo como a maior heroína que o mundo já conheceu.
Quando pensamos em Mulher-Maravilha pensamos já na heroína. Pensamos no uniforme e até na Liga da Justiça, mas a série Lendas da DC vai te levar mais longe. Não à origem ou nascimento, mas em pontos cruciais das jornadas desses heróis tão amados.

Sementes da Guerra é esse ponto para a Diana. Jovem, protegida, mas testada pela mãe e toda sociedade das Amazonas na ilha de Temiscira. Uma moça querendo abraçar o mundo e, ao mesmo tempo, saber qual seu lugar dentre as Amazonas.

Foi o meu primeiro contato com a escrita de Leigh, sabendo que a DC Comics deu a liberdade para ela, fiquei muito satisfeita com o livro. É um passeio sensível, atrevido e voraz na vida e mitologia da Diana.


A Diana que vemos aqui é uma descrição apaixonante pré-fase heroína. Onde vemos que ela nasceu para ser um marco no mundo, apesar de muitos não terem colocado fé nela no começo. 

AVISO: Você pode ficar com raiva de alguns desses personagens que tratam Diana com desdém. Eu fiquei.

Leigh ambientou o mundo no agora e demorei para saber quando isso se passava, mas uma referência do Deus Google foi o que precisou para me situar. A autora também deixou umas referências feministas DELICIOSAS e representatividade durante todo o livro, além de uma clara crítica ao momento moral em que estamos passando.

"Eu sou princesa de Temiscira. Vou atrás das minhas próprias respostas."
Ver uma interação diferente na ilha das Amazonas foi algo que me surpreendeu também. Há também desavenças, problemas e competição entre as mesmas, ao mesmo tempo que temos um forte senso de coletivo. Cada uma com afazeres e sabendo que suas ações influenciam nas vidas de suas irmãs.

A jornada de Diana e Alia é cercada de perigos constantes, descobertas da Diana (fora da ilha pela primeira vez), amizade e confiança, além de uma provação constante pela parte das duas. Alia não aceita sua origem (bem dramática!) e acha que Diana está louca (é parte de uma seita!) e Diana não conhece o mundo (nem os homens, na prática).

Eu sei que li somente a primeira parte da série Lendas da DC, mas já sinto que sei o que deu certo: Liberdade aos autores. Liberdade de moldar super-heróis a sua maneira, de colocar o SEU ponto de vista e dar uma nova forma dos fãs se apaixonarem pelos queridos personagens. A própria Leigh conta nos Agradecimentos que teve dezenas de influências para criar o livro e essa Diana.


Você achou que a Arqueiro não ia te dar um chamego, não é? Ao terminar de ler Sementes da Guerra, temos o primeiro capítulo de Batman, o segundo livro da série, com a autora Marie Lu. #PressintoInfarto


Para quem vai começar a ler, dica a dúvida: Será que Diana vai colocar suas irmãs amazonas e o mundo em perigo para salvar uma pessoa que não acredita que pode ser salva? POR FAVOR, EMBARQUEM NESSA JORNADA.


Título: Mulher-Maravilha - Sementes da Guerra
Autora: Leigh Bardugo
Páginas: 400
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
Comprar: Amazon
Classificação: 5/5









Leigh Bardugo: Uma escritora israelita, naturalizada americana, de livros de fantasia, jovem/adulto. Ela escreveu a trilogia: Grisha, best-seller do New York Times, o primeiro livro da série é: Shadow and Bone