21 setembro 2017

[Resenha]: Geekerela - Ashley Poston

Apontar para as estrelas. Mirar. Disparar.



Título: Geekerela
Autor(a): Ashley Poston
Capa comum: 384 páginas
Editora: Intrínseca (30 de junho de 2017)
Idioma: Português
Compre Amazon.
Sinopse: Quando Elle Wittimer, nerd de carteirinha, descobre que sua série favorita vai ganhar uma refilmagem hollywoodiana, ela fica dividida. Antes de seu pai morrer, ele transmitiu à filha sua paixão pelo clássico de ficção científica, e agora ela não quer que suas lembranças sejam arruinadas por astros pop e fãs que nunca tinham ouvido falar da série. Mas a produção do filme anunciou um concurso de cosplay numa famosa convenção valendo um convite para um baile com o ator principal, e Elle não consegue resistir. Na Abóbora Mágica, o food truck vegano onde trabalha, ela encontra a ajuda de uma amiga cheia de talentos para moda que vai criar o traje perfeito para a ocasião. Afinal, o concurso é a chance de Elle se livrar das tarefas domésticas impostas pela terrível madrasta e das irmãs postiças malvadas.Já Darien Freeman, o astro adolescente escalado para ser o protagonista do filme, não está nada ansioso para o evento, embora o papel seja seu grande sonho. Visto como só mais um rostinho bonito, o próprio Darien também está começando a achar que se tornou uma farsa. Até que, no baile, ele conhece uma menina que vai provar o contrário.Esta releitura de Cinderela transporta para o universo nerd os principais elementos do clássico conto de fadas, fazendo uma verdadeira homenagem a todos aqueles que sabem o que é ser fã e se dedicar de coração àquilo que amam.

Com um misto de expectativa e medo de ser mais um daqueles livros pseudo releitura da Cinderella, Geekerela chegou em minhas mãos ainda em agosto e facilmente virou uma das minhas leituras favoritas de 2017!

Ashley conseguiu mesclar pontos importantes do conta da Cinderella com assuntos bem atuais e que leva discussões importantes para o leitor.

Você vai conhecer Ella, uma adolescente órfão de pai e mãe que mora com a madrasta e suas filhas gêmeas (olha o fan service). Ela é praticamente a empregada da casa, fazendo tudo para as três e ainda tendo que trabalhar em food truck vegano chamado "Abobora mágica" para poder ter algum dinheiro extra.
- Seria estranho se eu dissesse que entendo como você se sente? 
- Então podemos ser estranhos juntos.


Você que é fangirl de alguma coisa, não tem como não se apaixonar e se identificar com a Ella. Apaixona por Starfield, ela viu sua tão amada série ganhar um remake, mas tudo que ela pede é que não seja com o novo queridinho da América Darien Freeman.

“Mas meu pai… Ele acompanhou tudo desde o começo. Era um fã original. Até criou uma convenção, a ExcelsiCon. Íamos juntos todo ano. Eu me lembro de ver os atores já velhos, de pedir para autografarem minha pistola estelar. De esconder a réplica na mochila para levar para a escola. De acordar todo dia com a música tema tocando no despertador dele.”
Darien se destacou em um seriado bem estilo The O.C., ela vai fazer o papel de Carmindor, o Capitão da Prospero e astro principal do remake de Starfield. Só que o que ninguém sabe nem mesmo Ella é que ele é super fã da série, porém até ele mesmo começa a se julgar incapaz de fazer fazer esse papel, sem contar que o assédio dos fãs está cada vez maior e uma blogueira bem hater que não deixa de infernizar a vida dele.

Ella acaba descobrindo que na Excelsicon vai ocorrer um concurso de cosplay, onde o ganhador vai levar um super prêmio, ela vê esse concurso como uma oportunidade da vida dela mudar para melhor, e resolve embarcar nessa!


O livro é dividido em três atos como um filme deixando a história muito mais interessantes, onde esses atos possuem frases ou quotes da séries Starfild e que remetem o atual momento de Ella. Com capítulos intercalados entre Ella e Darien a Ashley deixou um ar de suspense, principalmente quando esses dois narradores conversavam com desconhecidos ou entre si.

Mas um posto que me ganhou nessa história foi a autora não ter medo de fazer o seu protagonista negro. Isso foi fantástico! 

Agora falando um pouco sobre essa edição, que me arrisco a dizer, está mais linda que a Americana, mesmo ela sendo em capa dura. A Intrínseca está de parabéns pelo carinho e bom gosto. Agora eu posso dizer que essa é simplesmente a melhor releitura da Cinderella que eu li, e que meu coração de fangirl está super bem representado.