03 julho 2017

[Resenha]: A química que há entre nós - Krystal Sutherland

"Histórias com finais felizes são só histórias que não acabaram ainda."

Título: A química que há entre nós
Autor(a): Krystal Sutherland
Capa comum: 272 páginas
Editora: Globo Alt 
Ano: 2017
Idioma: Português
Compre Amazon.

Sinopse: Grace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. Ela também age de modo estranho: não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns. Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir. Só que quanto mais próximos eles ficam, mais os segredos de Grace parecem obscuros. Mesmo que pareça um romance fadado ao fracasso, Henry insiste em mergulhar nesse universo misterioso, do qual nunca poderia sair o mesmo. Com o tempo, fica claro para ele que o amor é uma grande confusão, mas uma confusão que ele quer desesperadamente viver.


Oi gente! Vamos de resenha? Confesso que estou apaixonada um tanto quanto despedaçada com esse livro. Totalmente despretensioso, "A química que há entre nós", veio com a premissa de falar sobre o "primeiro amor", porém vai nos levar a questão importantes de auto-conhecimento e mostrar que nem sempre ocorre o "felizes para sempre".

Existem pontos para um livro me ganhar logo de cara, e esse não foi diferente. A narrativa dele é em primeira pessoa, e totalmente feita pelo Henry ( Nosso amorzinho da vez, também com esse nome né?!), já me ganhou aí. E fala muito de música quem não ama, principalmente da minha banda favorita da vida , The Strokes, quando eu vi a palavra #YOLO (You Only Live Once) meu coração derreteu de tanto amor sério. 
"Às vezes você não sabe que as coisas serão extraordinárias até que elas são."

Mas vamos falar sobre Henry, nunca tinha me apaixonado assim por um personagem tão fofo desde Simon Vs. a agenda Homo sapiens , ele acaba se apaixonando perdidamente por Grace, uma garota misteriosa que se veste de tomboy (roupas de meninos) o tempo todo, as vezes chega suja na escola e não tem amigos nenhum. Tenta de todo as maneiras fazer com que ela repare nele, tentando fazer com que ela o note. Acaba aceitando qualquer contato que tenha com a garota, mesmo sabendo que isso é ruim para ele, e seus amigos falando que não é saudável e ele vai acabar com o coração partido.

A pesar de tudo, a aproximação entre eles é inevitável, a química é enorme. Porém Grace não quer se abrir, e acaba atrapalhando bastante o relacionamento dos dois. O relacionamento é totalmente toxico! E você como leitor consegue ver o quanto ele está fazendo mal para o Henry.
- É nesse momento que você diz algo sedutor para me conquistar.
- Se você fosse uma cenoura, seria uma boa cenoura?
Não tem muito o que se falar de Grace sem dar muito spoiler, pois ela é o mistério central da trama. Mas ela é complexa e totalmente quebrada, tanto fisicamente quando emocionalmente. Sinto que vocês vão odiá-la no final de tudo, pela forma como ela trata o Henry e as pessoas em sua volta, mas em algumas partes você vai chegar a entende-la e vai viver em altos e baixos com a personagem. 


Ponto para a Krystal por fazer personagens secundários tão maravilhosos! Mais uma vez, vamos ver pais tão reais com em Simon, com problemas e defeitos como todo casal normal. Henry tem uma irmã MARAVILHOSA, que por muitas vezes fez ele cair na real! Mesmo sendo um pouco doida kkk. Ela conseguiu dar a verdadeira importância para eles em toda a história.
"Você não pode se ressentir das pessoas pelos sentimentos delas."
Apesar de tudo, vem meu alerta aqui. É uma história dolorosamente bonita, que fala de amor a primeira vista, primeiro amor, como superar esse primeiro amor, luto, perda e as várias facetas do amor. O seu lado bonito e principalmente o lado feio, e que nem sempre podemos ter final feliz que tanto queremos.


Sobre a autora:


Krystal Sutherland

Krystal Sutherland nasceu e foi criada em Townsville, na Austrália, um lugar que nunca conheceu o inverno. Depois, ela morou em Sydney, onde editou a revista estudantil de sua universidade, em Amsterdam, onde trabalhou como correspondente internacional, e hoje vive em Hong Kong. Ela não tem animais de estimação nem filhos, mas gosta de dar nomes a seres inanimados: na Holanda ela teve uma bicicleta chamada Kim Kardashian e um pequeno e inflável velociraptor chamado Herbert. A química que há entre nós é seu primeiro livro.