20 março 2017

[Resenha]: A Fúria e a Aurora - Renée Ahdieh

"Eu te amo, milhares de vezes. E eu nunca vou me desculpar por isso"


Título: A Fúria e a Aurora

Autor(a): Renée Ahdieh
Capa comum: 336 páginas
Editora: Globo Alt;
Ano: 2016
Idioma: Português
Compre aqui: Amazon
Sinopse: Personagem central da história, a jovem Sherazade se candidata ao posto de noiva de Khalid Ibn Al-Rashid, o rei de Khorasan, de 18 anos de idade, considerado um monstro pelos moradores da cidade por ele governada. Casando-se todos os dias com uma mulher diferente, o califa degola as eleitas a cada amanhecer. Depois de uma fila de garotas assassinadas no castelo, e inúmeras famílias desoladas, Sherazade perde uma de suas melhores amigas, Shiva, uma das vítimas fatais de Khalid. Em nome da forte amizade entre ambas, Sherazade planeja uma vingança para colocar fim às atrocidades do atual reinado. Noite após noite, Sherazade seduz o rei, tecendo histórias que encantam e que garantem sua sobrevivência, embora saiba que cada aurora pode ser a sua última. De maneira inesperada, no entanto, passa a enxergar outras situações e realidades nas quais vive um rei com um coração atormentado. Apaixonada, a heroína da história entra em conflito ao encarar seu próprio arrebatamento como uma traição imperdoável à amiga. Apesar de não ter perdido a coragem de fazer justiça, de tirar a vida de Khalid em honra às mulheres mortas, Sherazade empreende a missão de desvendar os segredos escondidos nos imensos corredores do palácio de mármore e pedra e em cenários mágicos em meio ao deserto.

Oi gente tudo bem?! Nunca pensei que fosse me encantar tanto por uma fantasia, quanto me encantei por "A fúria e a Aurora". Não é um gênero que tenho afinidade, mas em 2017 prometi que iria explorar mais ele. Até agora não me decepcionei com nada.





Você vai conhecer Sherazade, uma jovem movida por vingança, e o rei Khalid até primeiro momento um assasino impiedoso. Acima de tudo você vai conhecer um história incrivelmente, surpreendente e arrebatadora. Renée nos presenteia com uma fantasia repleta de reviravoltas por meio de uma releitura do clássico "As Mil e Uma Noites". 

A trama é totalemente autoexplicativa, você não precisa ter lido "Mil e uma noite" para ler "A Fúria e a aurora". Você vai conhecer um reino governado por Khalid, um rei tirano, que sem um explicação aparente, a cada dia se casa com um jovem diferente, onde a cada aurora ele as condena a morte. Sherazade se voluntaria para ser a mais nova noiva do rei, mas ela tem um única objetivo em mente, Vingança. Vingar a morte de sua amiga Shiva que foi uma das esposas mortas de Khalid e acabar com o sofrimento de muitas familias. Para isso ela precisa matar o Rei, em vez de ser uma de suas vítimas.


Sherazade tem um plano. Ela quer encantar o rei ao contar histórias no meio da noite e quando chegar a aurora, ela paparia prometendo mais, atiçando a curiosidade do califa e permitindo a jovem mais uma noite. Conforme se aproxima mais do califa, ela vai descobrir um homem diferente por trás daquele Rei impiedoso e cruel, vai descobrir um homem atormentado pelo seu passado e que pode ser um Rei maravilhoso. 
"A vida de todos esta condenada, sayyidi. É apenas uma questão de tempo. E eu gostaria de viver mais um dia."
Não tem como você não shipar o casal, eu por várias vezes me peguei com os mesmos pensamentos de Sherazade, que seria errado, por ele ser um "monstro" que todos falavam . Mas confesso que me ganhou com aquele primeiro "minha rainha". Shazi é uma força da natureza não aceita ordens e possui uma língua afiada. Já Khalidi  sem dúvida vai ganhar seu coração (assim como ganhou o meu). Você vai perceber que ele é apenas um garoto (18 anos) que foi obrigado a se tornar um homem muito cedo, mas que acima de tudo só precisa de um colo e afeto. A maldição só será descoberta bem no final da história, mas logo no prefácio você já tem uma leve impressão do está por vim durante o livro.

Renée diponibilizou no ínicio um glossário com com as expressões árabes, para você não se perder na história, e isso foi maravilhoso! Levei para a vida a palavra Joonam (termo carinhoso "meu tudo"). A capa brasileira é simples, mas sabe aquele significado de menos é mais? Cabe perfeitamente para ela.
“É um castigo merecido para um monstro. O de querer tanto algo… de se capaz de tê-lo em seus braços… e saber sem sombra de dúvida que nunca vai merecê-lo.”
E gente, o que foi aquele final? Renée me deixou com o caração na boca, precisando urgentemente do segundo livro, por sorte já li kkk, e em breve tem resenha (talvez amanhã).