02 janeiro 2017

[Resenha]: Sr. Daniels - Brittainy C. Cherry



“- Coisas terríveis aconteceram na minha vida. E eu venho percebendo que se não dizemos o que precisamos dizer quando temos chance, acabamos nos arrependendo depois. Mesmo se estiver zangada, diga. Grite para o mundo, enquanto ainda tem uma chance. Porque uma vez que a vida passa, essa oportunidade não volta. E as palavras não ditas também se perdem para sempre.”


Título:Sr Daniels
Autora: Brittainy C. Cherry
Editora: Record
Gê nero: Literatura Estrangeira / Romance / Drama
Páginas: 310

Sinopse: Depois de perder a irmã gêmea para a leucemia, Ashlyn Jennings vê sua vida mudar completamente. Além de ter de aprender a conviver sem parte de si mesma, ela precisa se adaptar a uma nova rotina. Enviada pela mãe para a casa do pai, com quem mal conviveu até então, ela viaja de trem para Edgewood, Wisconsin, carregando poucos pertences, muitas lembranças e uma caixa misteriosa deixada pela irmã. Na estação de trem Ashlyn conhece o músico Daniel, um rapaz lindo e gentil, e a atração é imediata. Os dois compartilham não só o amor pela música e por William Shakespeare mas também a dor provocada por perdas irreparáveis. Ao sentir-se esperançosa quanto a sua nova vida, Ashlyn começa o ano letivo na escola onde o pai é diretor. E não consegue acreditar quando descobre, no primeiro dia de aula, que Daniel, o belo músico de olhos azuis com quem já está completamente envolvida, é o Sr. Daniels, seu professor de inglês. Desorientados, eles precisam manter seu amor em segredo, e são forçados a se ver como dois desconhecidos na escola. E, como se isso já não fosse difícil o bastante, eles ainda precisam tentar de todas as formas superar os antigos problemas e sobreviver a novos e inesperados conflitos.




O que falar de Brittainy que já é uma das minhas autoras favoritas, quem já leu "O ar que ele respira" sabe o quão bem ela fala sobre luto, e em "Sr. Daniels" não foi diferente. Com uma pegada mais adolescente ela escreveu sobre dramas e duvidas de dois jovens que passam por grandes perdas, sem perder o toque do romance doce e muito cativante.

Ashlyn acaba de perder a sua irmã gêmea e melhor amiga, tem a sensação de não tem mas sentido a sua vida. A relação com a mãe fica cada vez mais difícil e cada vez mais distante, chegando ao ponto de ter que se desfazer de toda a sua vida e se mudar para morar com um pai que mal conhece. Porém na viagem de trem que Ashlyn faz para casa de seu pai ela conhece um garoto dos olhos azuis, lindo de morrer e que encanta ela ao falar sobre Shakespeare.

Por que sempre queremos ser amados pela pessoa que mais nos ignora?

Daniel tem um passado regrado de perdas tanto quanto de Ashlyn se não pior. Ele viu sua mãe morrer em seus braços e seu pai um ano depois, e meio que no fundo do poço, juntos os dois conseguem se apoiar um no outro e subir, conseguem ver que existe sim uma luz e uma saída para todo este sofrimento.
– Os seres humanos não foram feitos para serem perfeitos, Daniel. Fomos feitos para estragar as coisas, e aprender coisas novas. Fomos feitos perfeitamente imperfeitos.

Só que nem tudo são flores não é?! Uma descoberta sobre os dois vai tentar impedir que esse romance aconteça, fazendo você chorar e suspirar e diversas ocasiões. Agora uma coisa que a autora soube fazer nesse livro foi construir personagens secundários. Onde o destaque foi para o Rayan, que foi de fundamental importância para o crescimento pessoal da Ashlyn.

- Dê um fim nisso, Ashlyn. Me conserte - sussurrou ele, me beijando de novo.- Eu não posso te consertar, Ryan - expliquei. - Você não está quebrado. 

Agora muitos que já leram esse livro vão achar a história bem similar a de "Métrica" da Colleen Hoover, principalmente quando se desenvolve o romance em si. Porém Muito bem mais escrito do que "Métrica" (desculpa Colleen) e melhor desenvolvido.

Com uma narrativa fluida em primeira pessoa, intercalando entre os dois personagens principais, abordando de forma clara e simples sobre luto, orientação sexual, intolerância religiosa e muitos outros assuntos que são tão atuais no nosso dia - a - dia.