22 fevereiro 2016

Tradução cena Beautiful Boss - Beautiful Bastard BR


O fâ-site Beautiful Bastard BR divulgou hoje em primeira mão a tradução de uma cena do novo livro das autoras Christina Lauren. Beautiful Boss, o conto de Hanna Bergstrom e Will Sumner, que chega ao mercado literário ainda no final de fevereiro deste ano. Por enquanto o conto não tem previsão de lançamento no Brasil.

     Confira o trecho aqui:





“Uma viagem para Boston. 

Um ensaio, um jantar de ensaio, uma noite estridente com os caras.

Um casamento amanhã, e uma futura esposa dormindo… no fim do corredor.

Eu sentia que este acordo não iria durar. Hanna odiava ter que dormir longe de mim em suas recentes viagens para entrevistas de emprego quase tanto quanto eu. E na noite antes do nosso casamento, a mãe dela nos coloca em quartos separados, para manter a tradição, criar suspense?

Esqueça.

Não iria durar.

Eu afofei os travesseiros, e depois me espreguicei na cama king gigante.

Meu celular tocou na mesa de cabeceira e eu ri para o quarto vazio, antes de responder, “Hanna, meu amor.”

Ela pulou a saudação inteiramente. “Eu estou nervosa.”

Sorri para o telefone. “Eu não estou surpreso. Você está prometendo me obedecer e ser minha escrava sexual para o resto de seus dias. Você sabe que eu não vou pegar leve com você.”

Ela nem sequer riu. “Posso ir para o seu quarto?”

“Claro”, eu disse. “Eu estava esperando que você viesse—”

“Não”, ela interrompeu. “Não, eu não posso. Isso foi um teste, Will. Você deveria dizer que dá azar.”

“Mas eu sou ateu”, eu lembrei a ela. “Eu não acredito em sorte. Eu acredito na intenção. Eu acredito na descoberta. Eu acredito em sexo antes do casamento. Na verdade, eu acredito que você está no fim do corredor, surtando completamente, quando você poderia vir aqui e conversar. E depois, deixar eu colocar meu pênis dentro de você. Eu vou olhar para você o tempo todo, e nosso casamento ainda vai ser o casamento mais incrível do—”

“Meus peitos vão estar enormes no meu vestido de casamento.”

Eu gemi, jogando meu braço sobre o meu rosto. “Você está tentando me matar?”

“Eu só queria te avisar.” Sua voz ficou ligeiramente arrastada e eu pude imediatamente imaginá-la roendo uma unha nervosamente. “Eu acho que talvez esteja um pouco demais. Eu queria que fosse uma coisa fofa entre nós—sua obsessão com os meus peitos, nosso casamento; quero dizer, você—”

“Hanna”, eu cortei. “Eu prometo fazer meu melhor para não agarrar você no altar.”

“Isso não é o que eu quero dizer.”

“Ameixa. Respira.” Ela inspirou e lentamente expirou. “Me diga,” eu disse calmamente. “O que você quis dizer?”

“É só que. . . e se eu parecer. . .”

“Perfeita?”, sugeri.

Ela soltou uma rajada de ar e admitiu de uma vez, “Peituda—como uma noiva prostituta peituda.”

Eu segurei uma risada, porque enquanto isso era ridículo para mim, eu sabia que não era para ela.

“Estamos realmente falando sobre isso? Esse é o seu surto pré-casamento? Que seus peitos vão parecer incríveis demais amanhã?”

Hanna tinha lidado com o planejamento do casamento com facilidade, entregando os detalhes finais para sua mãe enquanto ela viajava para entrevistas de emprego. Ela estava sendo recrutada em quase todos os cantos do país, às vezes indo para dois lugares diferentes em uma única semana. E ela nunca, nem uma vez, reclamou por causa da loucura dos últimos meses. Eu sabia que a minha Hanna era tranquila, mas—Jesus—considerando tudo, eu esperava… alguma coisa. Um colapso enquanto nós fazíamos as malas, talvez? Mas não, nós começamos uma guerra na lavanderia e acabamos fazendo sexo no corredor. Talvez uma briguinha enquanto íamos para Boston? Mas não, ela me chupou. Uma birra quando chegamos ao hotel? Não. Ela sorriu e se esticou para me beijar antes de gritar: “Aqui vamos nós!”

Olhei em volta do quarto de hotel vazio, dizendo: “Eu acho que vou gozar rápido.”

Seu pequeno rosnado fez eu curvar a boca em um sorriso, mas me endireitei quando sua voz saiu esganiçada e estressada.

“E se o meu vestido estiver realmente mostrando demais os meus seios e você for o único que não vai achar obsceno?”

“Se você andasse até o altar fazendo topless eu estaria completamente feliz com isso. E a minha é a única opinião que importa amanhã.”

“Então por que nós convidamos outras cento e sessenta e quatro pessoas?”

“Hanna. Cale a boca, agora. Venha para o meu quarto transar.”

A linha caiu e alguns segundos depois, ouvi pés arrastando na frente da minha porta, uma longa pausa, e então uma batida leve.

“Feche os olhos”, ela disse do corredor.

Fui até lá, fechei os olhos com força, e abri a porta.

“Fique com os olhos fechados”, ela alertou.

Fechei os olhos com mais força, obedientemente.

Suas mãos se moveram para o meu pescoço e deslizaram para o meu rosto, tremendo com seu nervosismo antes de finalmente conseguir amarrar algo em torno dos meus olhos. E então ela ficou em silêncio. Eu não podia vê-la, não podia senti-la.

Estendendo a mão, eu achei sua cintura e a puxei para o meu peito nu. “Me diga o que realmente está acontecendo.”

“Eu não gosto de não estar com você na noite antes do nosso casamento,” ela confessou com a boca em minha pele. “Eu preciso de você.” “

A data de lançamento mundial é de 29 de fevereiro! Vamos aguardar!